Tiegue Vieira Rodrigues - ebook


0a4f9bcaee5940f28ed3d7f7edc54513.png

Uma introdução ao contextualismo na epistemologia contemporânea


ISBN: 9788539703418  
Ano: 2013 - 1ª edição 
Formato: EPUB 
Nº Paginas: 103 
Idioma: PORTUGUÊS


Este livro oferece uma introdução ao Contextualismo Epistemológico e se destina aos leitores que possuem algumas noções/aptidões bem gerais sobre filosofia, mais especificamente sobre Teoria do Conhecimento ou Epistemologia, mas não requer qualquer conhecimento prévio sobre o Contextualismo e, portanto, acredito que deva ser de grande utilidade para estudantes e pesquisadores que se interessem e pretendam trabalhar com esse interessante tópico. Tendo em vista que ele reflete boa parte da minha pesquisa realizada durante o doutoramento, entendo que ele não deva ser utilizado única e exclusivamente sozinho, mas sim complementado com leituras adicionais que, por diversos motivos, não puderam ser tratadas com mais profundidade.


mais informações CLIQUE AQUI


artigos


Conhecimento contextos e predicados morais


Neste texto, eu discuto a plausibilidade de uma interpretação contextualista sobre atribuições e alegações de juízos morais. Após uma breve introdução sobre alguns aspectos gerais concernentes à Epistemologia Moral apresentarei uma abordagem contextualista sobre conhecimento, a saber, a tese contextualista proposta por Stewart Cohen. Em seguida, ofereço uma análise contextualista, análoga à tese epistêmica proposta por Cohen, que pretende lidar de maneira mais adequada com os dados lingüísticos envolvendo alegações e atribuições ordinárias de juízos de moralidade. Posteriormente, apresento algumas críticas que podem ser feitas a esta abordagem sobre o contextualismo moral mostrando que elas não são suficientes para refutá-lo. Finalmente, concluo que o contextualismo moral se configura como uma alternativa plausível para explicar nossa prática ordinária referente às nossas alegações e atribuições de juízos morais.


para ler na íntegra CLIQUE AQUI



Pode o contextualismo oferecer uma resposta ao problema do regresso epistêmico?


Neste artigo, apresentamos uma versão de uma teoria que eu chamarei de Contextualismo Epistêmico ‒ a visão de que o contexto e os padrões determinados por ele desempenham um papel central na avaliação de se um agente epistêmico tem, ou não, justificação e, portanto, conhecimento ‒ para tentar resolver um dos problemas mais influentes em epistemologia, a saber, o Problema do Regresso epistêmico. O primeiro passo será o de caracterizar o problema do regresso epistêmico. Em seguida, apresentaremos uma importante distinção que é útil para um melhor entendimento da nossa tese, isto é, a distinção entre justificação proposicional e doxástica. Então, abordaremos as visões tradicionais que supostamente alegam resolver este problema, mostrando que todas são problemáticas. Por fim, apresentaremos a visão que pretendemos defender, mostrando como ela pode oferecer uma resposta ao problema do regresso epistêmico, de uma maneira que as outras visões não podem.


para ler na íntegra CLIQUE AQUI

Crença verdadeira mais informação adequada: fortalecendo a visão de Foley


Em “when is true belief knowledge? (2012)” Richard Foley apresenta uma teoria do conhecimento bastante simples e original que pretende desbancar as rivais e reorientar a teoria do conhecimento: um sujeito S sabe alguma proposição p se e somente se S verdadeiramente crê que p e não lhe falta nenhuma informação importante. Michael Hannon, em seu artigo “Is Knowledge True Belief Plus Adquate Information? (2013)”, faz uma objeção à visão de Foley acusando-o de oferecer um argumento circular que, ao não diferenciar informação importante de informação não importante, acaba, em última instância, por fazer referência a própria noção de conhecimento. Acredito que a teoria apresentada por Foley está no caminho certo, porém,  apresenta-se de forma incompleta. Neste artigo, eu apresento uma interpretação subjetivista de relevância epistêmica, proposta originalmente por Floridi, que complementa a visão proposta por Foley e rechaça as objeções levantadas por Hannon. 


para ler na íntegra CLIQUE AQUI

​​